quarta-feira, 30 de abril de 2008

HERBERTS CUKURS NO BRASIL



Em fevereiro de 1946,em pleno carnaval,a familia Cukurs desembarcou no Rio de Janeiro,na epoca a capital do Brasil.Sem dinheiro,sem conhecer ninguem,sem conhecer o idioma,dormiram varios dias numa tenda na Praia de Copacabana.Na viagem,Cukurs havia trazido uma camara fotografica "Leika",que lhe havia sido presenteada,quando de seu vôo para Gambia,pela fabricante da mesma,e para conseguir arrecadar dinheiro para o sustento inicial da familia vendeu essa camara.Foi um periodo muito dificil para a familia,e em função disso,Cukurs então levou a jovem Mirian para a comunidade judaica do Rio de Janeiro localizada no Bairro de São Francisco,pois la êles teriam condições de acomodar melhor a jovem judia.Lá ela foi encaminhada para uma familia de seu povo que a acolheram como filha .Pouco depois ela conheceu um medico judeu muito famoso na epoca,com quem veio a se casar.Para sorte de Cukurs pouco tempo depois ja estava empregado,na Companhia Nacional de Navegação aerea,(CNNA),de Henrique Lage,como projetista,que na epoca produzia o HL-6 Caure ,e Cukurs projetou um mono motor cabinado que utilizaria o mesmo motor Lycoming 0-290-C,

utilizado no HL-6,em uma concepção elegante que herdaria as linhas do avião de Cukurs,o C-6.Mas infelizmente pouco tempo depois em 1947,a fabrica encerou as suas atividades.O cargo na CNNA,forneceu um bom corriculo a Cukurs,que começou a revisar e reformar aeronaves no Aero Clube do Brasil.A casa de Cukurs foi transformada em oficina de entelamento e revisão de motores,e Cukurs e seu filho Gunars iam buscar os aviões em Manguinhos,e os traziam de barco até Niteroi,sem as asas.A qualidade dos serviços de Cukurs logo foi reconhecida,e seu negocio se tornou prospero.Com seu espirito empreendedor Cukurs percebeu que apesar de todas as belezas naturais que o Rio de Janeiro dispunha nada era feito para incrementar o lazer aquatico.Como os negocios estavam indo bem,começou a construir pedalinhos,que depois eram alugados na praia

.O sucesso foi imediato.

O local passou a ser frequentado por pessoas da Sociedade carioca,

e pouco depois Cukurs montou alguns flutuantes,

num deles um pitoresco restaurante.

A familia Cukurs foi pioneira,conforme retratam jornais da epoca,na introdução da caça submarina no Rio de Janeiro e da pratica do esqui aquatico.

A habilidade de Cukurs era tamanha com os esquis,que certa vez,vestido de terno,fez uma exibição,retornando a margem se se molhar.Seus filhos Gunars e Dolores tambem eram eximios esquiadores o que fez despertar enorme interesse nesse esporte na população local



.Mas Cukurs queria mesmo era voltar a voar,e assim comprou seu primeiro avião,um velho tri motor italiano,CRDA CANT Z.1012,avião raro,foram produzidas apenas 6 unidades,e pertencera ao adido militar da embaixada da Italia General Ulises Longo,e que havia sido confiscado pelo governo brasileiro durante a guerra,e utilizado pela Varig,com o prefixo PP-VAO.Não foi um bom negocio,pois este avião,estava desativado ha muito tempo,deixado ao relento e lhe faltavam as helices.O seu transporte ate a oficina foi uma verdadeira aventura,com Cukurs e filho desmontando varios flutuadores de pedalinhos,e os adaptando aos trens de pouso e bequilha dessa aeronave.Apos retirarem as pontas das asas,atravessaram a Baia da Guanabara rebocando o avião com um escaler movido por um motor de popa de apenas 4 hp.Logo depois Cukurs comprou um Aeronca C-3 com flutuadores prefixo PP-TAX,que foi recuperado em sua oficina em Niteroi.Em 1949 Cukurs adquiriu da TABA,um hidroavião ,fabricado pela Republic Aircraft Corporation,a famosa fabricante dos caças P-47 Thunderbolt,um hidro avião de turismo,com concepções revolucionarias.Era um Republic RC-3 Seabee

,com um motor de propulção Franklin de 215 hp,levava 4 passageiros e tinha seu trem de pouso retratil,tornando-o anfibio.Mais de 1000 desses aviões foram produzidos de 1946 até o fim da decada,porem esse avião tinha ma fama,com o estigma de ser de dificil pilotagem e manutençao complicada
Como Cukurs gostava de aviões exoticos,comprou esse que tinha o prefixo PP-DVV,com apenas 70 horas de uso.Como a familia Cukurs vinha explorando um serviço de pedalinhos na Lagoa Rodrigo de Freitas,esse avião seria a mais nova atração daquele ponto turistico,decolando da agua,e fazendo breves vôos panoramicos.Esse avião junto com outro Seabee,PP_DKU,adquirido do Comandante Alberto Torres,famoso aviador brasileiro com 100 missões de combate na 2 guerra,e amigo pessoal da familia,

acompanharam a familia Cukurs voando ate 1997,quando enceraram as atividades.O PP-DKU,foi de longe o hidro com maior numero de pousos e decolagens do mundo tendo transportado nesses anos mais de 200.000 passageiros:http://www.seabee.info/rc3_brazil.htm
Os negocios corriam bem para Cukurs,e a maior revista carioca da epoca,"O Cruzeiro"

fez duas materias enormes,elogiando o emigrante que vindo de um pais distante havia vencido em terras brasileiras,sendo exemplo para todos os brasileiros

.Isso despertou a cobiça de algumas pessoas,que vendo o sucesso que o negocio de Cukurs estava fazendo,o procuraram por diversas vezes,tentando comprar.Como em todas as ocasiões,Cukurs havia se negado a negociar,na ultima fizeram-lhe uma ameaça,caso não vende-se seu negocio,em breve iria se arrepender para o resto da vida.Cukurs não era homem de se intimidar com ameaças,e dias depois começaram as novidades.Durante a serie de julgamentos de criminosos de guerra nazistas,que se seguiram ao processo de Nurenberg em 1946,era voz corrente que muitos desses fugitivos,teriam se refugiado na America do Sul.Em 1950,alguns jornais cariocas publicaram que um dos acusados de Nuremberg estaria escondido no Rio,explorando serviços de barcos turisticos na Lagoa Rodrigo de Freitas,começando a partir desse dia uma campanha de difamação contra a pessoa de Herberts Cukurs.Manchetes sensacionalistas faziam os donos de jornais venderem exemplares como nunca antes havia sido feito.

De todos os lados vinham acusações absurdas.Os reporteres vinham procurar Cukurs,que pacientemente os atendia,com documentos,explicava que deveria estar havendo algum engano,pois nunca fora criminoso de guerra,e muito menos estaria escondido,pois sempre usou seus documentos originais e seu nome verdadeiro,mostrando que nada tinha a temer.Mas de nada valiam suas explicações,pois no outro dia as manchetes eram mais sangrentas ainda.


Ate as comunidades judaicas se uniram fazendo ataques contra Cukurs,mostrando dezenas de acusações que teriam contra a sua pessoa

O prefeito do Rio de Janeiro,não vou citar seu nome,mandou interditar o negocio de Cukurs,e ordenou a apreensão das embarcações.O que seus homens não puderam levar para os patios da prefeitura,foi destruido por êles.So escapou ileso o hidro avião,que não estava la.
Cansado de tantos ataques e vendo seu nome ser jogado numa lama de mentiras,Cukurs munido de seus documentos pessoais se apresentou no D.O.P.S(Delegacia de Ordem Publica e Social),e indagou o que as autoridades brasileiras tinham contra êle,e a resposta foi curta e objetiva,NADA.Ai Cukurs perguntou o que poderia ser feito para impedir os ataques feitos pela imprensa?E a resposta foi a mesma.Naquela epoca,não havia a lei de imprensa,qualquer um poderia mandar publicar artigos pagos,do que quisesse,que nada acontecia.O delegado sugeriu que Cukurs fizesse o mesmo .Os dias foram passando,e o numero de vitimas de Cukurs ia aumentando.No inicio ele teria sido responsavel direto pela morte de 30.000 judeus,da maneira mais sadica e sangrenta possivel.Depois esse numero subiu para 60.000,depois 250.000 e finalmente chegou a 1.000.000.Diante de tantas acusações,o Ministerio da Justiça Brasileiro,pediu que o ministerio das relações exteriores,atraves do Itamarati,entrasse em contato com todos os paises,que estavam tratando de crimes de guerra,para obter alguma informação a respeito,se haveria algo contra essa pessoa.Pouco tempo depois a resposta foi unanime:Nada havia contra Herberts Cukurs.Uma das acusações era que Cukurs seria o criminoso de guerra numero 17 do tribunal de Nurenberg,tribunal esse onde estavam relacionados os nomes de todos os possiveis criminosos de guerra,e lá tambem não constava o nome de Herberts Cukurs.

Diante disso,e como nenhum de seus acusadores compareceu com nada que pudesse manchar o bom nome de Cukurs,o ministerio da justiça foi obrigado a arquivar o processo,e a paz voltou a reinar de novo.

Como o negocio de Cukurs havia sido destruido pelo prefeito carioca,êle e o filho tiveram que voltar as suas atividades anteriores de manutençao de aeronaves,aceitando um serviço provisorio de manutenção no Iate Clube daUrca,de um Aeronca C-3,pertencente ao Serviço Nacional da Malaria.
Em uma tarde,em que gunar trabalhava no hangar,surgiu um estranho vestido de short,e apontando para o Seabee,disparou uma ordem para que fosse colocado fora do hangar.Abalado com o tom autoritario,Gunar e mais quatro ajudantes empurraram o Seabee para fora.Então o estranho entrou no hidro avião,experimentou os comandos e perguntou:-Este avião tem combustivel?Esta marcando meio tanque,esta correto?Gunar acenou que sim com a cabeça.O homem então fechou a porta,acionou o motor,e taxiou o avião,descendo a rampa para a praia da Urca,recolheu os trens de pouso...e decolou.Depois de umadecolagem perfeita,o avião começou a fazer rasantes sobre o Iate Clube.Nisso chegou Cukurs,e nervoso perguntou ao filho o que estava ocorrendo.Posa mão na cabeça puxando os poucos cabelos que lhe restavam-mas ai,de repente o avião amerisou,subiu a rampa,e taxiou ate o hangar.Antes mesmo do motor parar,Cukurs foi ao encontro do piloto desaforado.Este desceu do avião,os dois se encararam ferozmente...e num instante seguinte estavam abraçados.O estranho era o brigadeiro Francisco Assis Correia de Mello,conhecido no meio aeronautico como "Melo maluco",que pilotara o primeiro vôo transcontinental da aviação militar brasileira em 1931,e quese tornaria comandante de varias zonas aereas do pais e eventual ministro da aeronautica no governo Juscelino Kubitschek.Cukurs o homenageou batizando o Seabee de "Nairzinha",nome da filha de seu novo amigo

Em 1951,o Seabee PP-DVV teve deser vendido e,no negocio,Cukurs adquiriu um Globe Temco Swift PP-AIG.Era um bi-place,todo metalico,deasa baixa,com trens de pouso retrateis,e linhas muito bonitas que lembravam um avião de caça da 2ª guerra mundial.Cukurs substituiu seu motor por um Lycoming o-290-C.Mas o aparelho tambem não ficou muito tempo nas mãos de Cukurs,que com a sua venda,adquiriram um outro Seabee PP-DKU.Outro Seabee que foi adquirido posteriormente foi o PP-DLV,que foi canibalisado para manter os outros em operação.Os Cukurs voltaram para a velha casa de Niteroi,reabrindo a oficina de manutenção de aviões.Nessa epoca Herberts e Gunars haviam adquirido titulos de socios remidos do Aeroclube do Brasil,e Gunars foi durante muitos anos conselheiro desse clube.O Aeroclube do Brasil orgulhava-se de ser filiado a Liga Internacional de Aviadores,sediada em Paris,mas o que seus associados não sabem ,ou a maioria não sabe,é que um de seus associados foi "Membro honorario dessa liga",Herberts Cukurs.No Aero clube do Brasil,os Cukurs em troca de serviços de manutenção,ou atraves de compras de ocasião,adquiriram e permutaram varios aviões,a maioria exoticos,tais como o Secan SUC-10 Courlis PP-DRE,um monomotor frances de turismo com 4 lugares,com motor de propulsão traseira,asa alta e empenagem dupla,construido em 1946,um Beechcraft D-17-E Staggerwing PT-ADT,que era um bi-plano monomotor cabinado,com trens de pouso retrateis e linhas classicas,projetado em 1932.


Outro avião que despertou o interesse de Cukurs foi o Douglas A-24 Banshee,a versão desnavalizada do famoso bombardeiro de mergulho SBD Dauntless.Por circunstancias desconhecidas,dois desses aparelhos foram deixados no Brasil pela USAAF apos o termino da guerra.O aparelho que Cukurs quis comprar PP-DVT,acabou sendo adquirido por Gastão Azevedo,que transformou a parte traseira da cabine em um compartimento para transportar carne.Mas sem duvida alguma,a aeronave mais preciosa que os Cukurs tiveram foi o Focke-Wulf FW-56 Stosser PP-RCB.

um monomotor acrobatico de asa alta e trensde pouso carenados,utilizado pela Luftwaffe no periodo imediatamente anterior a guerra,como avião de treinamento avançado para pilotos de caça.Era armado com duas metralhadoras sincronizadas no nariz,e cabides para carregar pequenas bombas.A historia desse Stosser vale a pena ser contada.Em 1936,a fabrica do Galeão fechara um acordo com a Focke-Wulf para a produção de quatro modelos,sendo um deles o treinador avançado FW-56 Stosser.Com aeclosão da guerra na Europa e o alinhamento do Brasil com os aliados,a fabricação dos Focke-Wulf nacionais foi interrompida,e o FW-56 não chegou aser produzido,tendo sido fabricados de fato apenas os dois primeiros modelos.Um unico exemplar havia sido enviado pela empresa alemã ao Brasil antes do conflito,paraservir de matriz para a produção,e esse acabou sendo deixado de lado durante varios anos,acabando porser entregue à Cruzeiro do Sul,sendo utilizado por um de seus diretores,o Comandante Jose Cândido da Silva Muricy.Mais tarde ,foi incorporado à frota do Aero Clube do Brasil.Mesmo sendo um avião acrobatico detreinamento avançado,poucaspessoas estavam capacitadas para pilota-lo.Ao final da decada de 40,no campo de pouso de Niteroi,um piloto que taxiava no Stosser,em uma distração,sofreu um cavalo de pau,com ambas as pontas deasa tocando o chão.O Stosser foi levado sem asas para a oficina de Cukurs,onde foi reparado e recebeu umas rodas do Fairchild PT-19 em substituição das originais,o que o tornou mais macio ao taxiar.Carpinteiros tentaram restaurar as asas,mas os resultados não foram satisfatorios e a fuselagem ficou durante varios anos encostada no hangar do Aero Clube do Brasil.Em meados dos anos 50,o Aero Clube foi palco de um conflito politico em que grupos radicais retiraram do hangar alguns PT-19 e a fuselagem do Stosser-e atearam fogo às celulas!Os Cukurs nutriam uma dedicação especial ao FW-56,e compraram a carcaça.Nos anos que se seguiram,Herberts e Gunars fizeram varias tentativas de restaurar aquele belo avião.
Expandindo o negocio de manutenção de aeronaves,os Cukurs mudaram a oficina para Bonsucesso,alugando a area que havia pertencido a NAB(Navegação Aerea Brasileira).Agora com dois Seabees de novo,PP-DVV e PP-DKU,Cukurs pretendia voltar aos vôos panoramicos.Ouvindo falar que São Paulo era um estado rico,e muito promissor para negocios,deixou Gunar com a familia e foi tentar a sorte com o Seabee PP-DVV,na cidade litoranea de Santos.No primeiro dia de vôos turisticos,fez 36 decolagens com lotação esgotada de passageiros.Euforico,ligou para o Rio e convocou a familia a se mudar para Santos.Por intermedio do amigo Brigadeiro Correia de Mello,pode guardar seus aviões na Base Aerea de Santos,e passou a oferecer vôos panoramicos durante fins de semana,partindo da praia de Jose Menino.

Para evitar corrosão,Cukurs removia com uma vassourinha a areia da sola dos pés de todos os passageiros que embarcavam.Pai e filho começaram a estudar uma maneira de levar mais um passageiro a bordo.A capacidade normal do Seabee era de 1 piloto e tres passageiros.Herberts tirou os trens de pouso,e os comandos de partida eletrica do avião,que deu um alivio de 120 kg no peso.Para substituir os trens de pouso,projetaram uma carreta com pneus,que era encaixada sob a fuselagem ao sair da agua.Era possivel inclusive taxiar o avião em terra firme.Em 1957,Os Cukurs adquiriram uma fazenda de bananas em Juquia e Herberts a convite do prefeito de uma cidade litoranea próxima resolveu explorar um serviço de sobrevõos regulares.Para isso adquiriu um pequeno quadrimotor De Havilland DH-114 Heron

prefixo PT-AVA,que tinha pertencido a Transportes Aereos Salvador,dai recebendo o apelido de "Constelation Baiano".Com o Heron,o D.A.C exigiu que a empresa dos Cukurs tivesse no minimo dois aviões para explorar uma linha aerea regular.

Como alternativa,permitiu o serviço de Taxi Aereo,com uma só aeronave,porem podendo transportar no máximo 8 passageiros,numero bem aquem da capacidade do Heron.



Para tentar diminuir o prejuizo,o avião foi utilizado para transportar mantimentos para Brasilia,a nova capital então em vias de construção.

Mais tarde o Heron foi vendido à Star Taxi Aereo.Cukurs percebeu que o publico que voava em Santos era na sua maioria,de paulistanos que desciam para o litoral.Foi a São Paulo,e lá descobriu a represa de Guarapiranga,proxima do centro da cidade e que contava com boa estrutura turistica.Os Cukurs resolveram oferecer vôos turisticos em Santos e na represa.Os aviões haviam sido rebatizados de "Oba" PP-DVV e "Fiu- Fiu" PP-DKU.Vendendo a fazenda de bananas que não dava lucro,Cukurs adquiriu um terreno na represa,no bairro da Riviera Paulista.Era um local ermo,mas os Cukurs mudaram-se com os aviões para lá.No começo os Seabees ficavam ancorados na praia em frente a sua casa,ate que foi construido um hangar.

Interlagos prosperava e os vôos acabaram sendo explorados em São Paulo.Pai e filho adquiriram mais dois aviões,um Seabee de matricula uruguaia CX-AID,que havia se acidentado em 1954,e um monoplano Rearwing Sporster com flutuadores PP-TBW,que tambem passou a ser utilizado nos vôos panoramicos.


Em 1960,o sequestro, julgamento,e execução do criminoso nazista Adolf Eichmann,acabou reacendendo as campanhas de difamação e mentiras contra Cukurs.Novamente os jornais com manchetes sensacionalistas alardeavam que um dos maiores criminosos de guerra estava escondido em São Paulo.

Começou tudo novamente.Cukurs novamente de livre e espontanea vontade compareceu no D.O.P.S,levando seus documentos e papeladas,mas a resposta recebida foi identica a que havia recebido 10 anos atras,NADA HAVIA CONTRA HERBERTS CUKURS. Diante da pressão das Federações Israelitas Brasileiras,novamente o Itamarati colheu informações no exterior,e a resposta recebida foi que nada havia contra Herberts Cukurs.Na primeira campanha em 1950,um jornal da colonia letoniana que era editado nos Estados Unidos e distribuido para varios paises,onde haviam colonias letas,veio fazer uma intrevista com Cukurs.
Essa intrevista foi publicada em varios paises,e nela o reporter havia colocado o endereço postal de Cukurs.Um mes depois começaram a chover cartas de todas as partes do mundo de letonianos,que apos a guerra haviam fugido do comunismo,e todos êles se oferecendo a servirem de testemunhas em quaquer tribunal que fosse necessario,para depor a favor de Cukurs.Como eu havia dito anteriormente Cukurs foi e continua sendo ate os dias de hoje,o letoniano mais famoso que a Letonia ja teve.Dessas centenas de cartas,a familia ainda guarda muitas delas como documentos da mais alta importancia.Nessa época,na extinta TV Tupi,tinha um programa,que se chamava "Pinga-Fogo",os mais velhos hão de lembrar.E para esse programa que na epoca era transmitido ao vivo,foram convidados representantes das federações israelitas,que trariam para o debate,as provas de acusação,e de outro lado viria Herberts Cukurs para fazer a sua defesa.Nesse dia Cukurs compareceu no programa,mas nenhum deseus acusadores apareceu.Depois um desses representantes alegou não ter ido pois não conseguiria ficar frente a frente com esse brutal assassino.Cansado de tanto papo furado,cansado de intimar os judeus para mostrarem as provas da culpabilidade de Cukurs,e não ser atendido,e diante da resposta recebida pelo Itamarati,que nada havia contra Cukurs no exterior,O delegado do D.O.P.S Dr. Cintra Bueno,intimou os representantes das Federações Israelitas,na Delegacia e os intimou a deixarem Cukurs em paz,e que cessassem as ameaças que êle vinha sofrendo,e caso algo acontecesse no Brasil a Cukurs ,êles seriam responsabilizados.Cukurs novamente compareceu ao D.O.P.S,e novamente nada havia contra êle. Nessa ocasião Cukurs havia recebido varias cartas anônimas com ameaças de morte.E a campanha de difamações prosseguia a pleno vapor.
Um dia,em um programa de televisão da extinta televisão Tupi,onde havia um programa ao vivo,chamado Pinga-Fogo,Cukurs foi convidado a comparecer,junto com seus acusadores,para que pudesse ser feito um julgamento simulado,os acusadores através de seus representantes legais,levariam as provas de acusação,e Cukurs por seu lado levaria as suas,para se defender.No dia marcado,Cukurs compareceu,munido de seus documentos e pasta com sua defesa,mas o programa teve de ser cancelado,pois os acusadores não compareceram.Por que será?
O delegado do D.O.P.S,Dr.Cintra Bueno,cansado de esperar as tais provas de acusação,que nunca apareceram,chamou os representantes das comunidades judaicas para uma conversa definitiva.Uma vez que Cukurs entrou no Brasil com seu nome verdadeiro,documentos verdadeiros,tinha residência fixa,de conhecimento de todos,sempre procurou as autoridades brasileiras espontaneamente,por duas vezes o governo brasileiro,tomou informações sobre seu passado regresso,nada encontrando que pudesse manchar seu nome,e como os acusadores não apresentaram nenhuma prova concreta,apenas meia dúzia de cartas,que sabe-se lá por quem foram escritas,e onde foram escritas,e a idoniedade de quem as escreveu e as quais já haviam sido submetidas a apreciação do Ministério da Justiça,que apreciou que o conteúdo delas,não tinha legitimidade para poder incriminar uma pessoa,e servir de prova em uma acusação,os membros da Federação Israelita foram intimados a deixar Cukurs em paz. Mandou também que se parasse com as ameaças,e se algo acontecesse com Cukurs eles seriam responsabilizados.Mediante a isso,os representantes das comunidades judaicas assumiram o compromisso de que aqui no Brasil,nada aconteceria com Herberts Cukurs.E assim foi.
As autoridades brasileiras por via das duvidas colocaram 2 policiais armados,que faziam revezamento dia e noite,na residência de Cukurs,que também recebeu a autorização de porte de arma de fogo,para sua defesa.
Após esses acontecimentos,novamente a paz voltou a reinar,e Cukurs continuou a trabalhar,com sua família retomando a sua vida.
Em janeiro de 1962,o governo paulista estava empenhado na campanha pela vacinação da Sabin. Nessa época foram utilizados os aviões de Cukurs,para que as equipes medicas pudessem mapear a cidade

,a fim de se poderem levar a vacina a todos os cantos.Os aviões também foram utilizados para panfletagem,a fim de divulgar para a população,a necessidade e os benefícios dessa vacinação,visto que naquela época,os meios de comunicação eram precários.

Por esse trabalho,em 13 de Janeiro de 1962, Herberts Cukurs recebeu o titulo do Governo do Estado de São Paulo,através da Secretaria de Saúde Pública e Assistência Social,com o seguinte teor:
“Em reconhecimento aos relevantes serviços prestados à população Paulistana,ao Comandante Cukurs,é concedido este titulo de agradescimento e louvor pela sua excepcional dedicação ,colaborando para o êxito da campanha de vacinação contra a Poliomielite.”

Um mês depois,em fevereiro de 1962,ia acontecer a primeira feira náutica de São Paulo,nas dependências do Santa Paula Yate Clube.

Cukurs participou desse evento com um barco que havia acabado de projetar e construir,que se tornou atração máxima desse evento.



Tratava-se de um aero barco,que utilizava flutuadores de avião,com capacidade de 4 passageiros,equipado com um motor de avião,Mathis de 196 hp,todo feito em dura alumínio,e que tinha sob seus flutuadores, hidrofolios,que permitiam que esse barco atingisse uma velocidade de 80 milhas por hora,saindo com os flutuadores a 30 cm fora da água .Esse barco ficou conhecido na imprensa como “Bidu,o barco Voador.”.Recebeu amplo destaque em varias matérias publicadas nos principais jornais brasileiros.
Nessa época,os Cukurs foram pioneiros ,no desenvolvimento do girocoptero,um helicóptero planador que voava sem utilizar motor,apenas com o giro das pás,que permitiam que decolasse. O primeiro aparelho foi testado na praia Grande,litoral de São Paulo,

onde ligado a um automóvel era puxado por um cabo,pela praia naquela época praticamente deserta,ia ganhando velocidade e rotação em suas pás,permitindo que ocorresse a decolagem,igual a de um planador.Esse aparelho inicial era equipado com três rodas de Lambreta,
Como viajar para a Praia grande naquela época era mais complicado,resolveram adaptar o aparelho para ser utilizado na pista de decolagem que havia próxima de sua casa,a represa. Então o próximo girocoptero foi feito com flutuadores que lhe permitiam a decolagem da água.


O problema agora era como tracionar o planador?Naquela época os Cukurs haviam adquirido uma embarcação muito popular utilizada para a pratica de esqui aquático,conhecida como Craker Box.Mas esse barco não tinha potencia suficiente para tracionar o girokoptero,com velocidade para decolagem.Assim,foi lhe adaptado um motor de centro,automotivo,Lincoln de 12 cilindros ,que propulcionava um hélice,com pé de galinha.Alem dele na parte traseira da embarcação foi montado um suporte,onde foi fixado um motor de avião de 4 cilindros Franklin,propulcionado por uma hélice de avião.Dessa maneira,com o girocoptero engatado atrás e propulcionado por dois motores permitia que o barco com todo esse arrastro,atingisse a velocidade de 60 milhas,permitindo assim a decolagem em segurança do girocoptero.
Outra invenção por conta de Gunars foi o tamanquete,que era um par de esquis,insubmergíveis, que eram calçados como esquis normais,e onde o praticante com o auxilio de dois bastões,iguais aos utilizados no esqui sobre a neve,poderia caminhar sobre as águas .


Essa é a historia real de um homem,que através de seus próprios méritos escreveu seu nome na história da aviação de seu país,e na historia da aviação mundial,realizando vôos a longa distancia,com aviões por ele mesmo projetados e construidos.A força de seus feitos até hoje é aclamada em seu país,onde jovens e velhos veneram sua memória.
Por outro lado,Cukurs provavelmente é a pessoa no mundo que mais injustiças sofreu,acusado por crimes que jamais praticou,e apesar da falta de provas,apesar de seus pedidos constantes de justiça,lhe foi negada a menor possibilidade de defesa,tanto nos tribunais,quanto na hora de sua morte.
Mas se na terra a justiça dos homens tardou,a justiça divina se fez presente,e por mais que seus algozes tentem fazer de tudo para impedir que a verdade apareça,dia a dia aparece um fato novo,e as mentiras uma a uma vão sendo desmascaradas.A verdade tarda, mas não falha.Existe uma força superior que não se curva diante do poder econômico,e essa força,”Starp zemi um sauli”,”Entre o Sol e a Terra”que esta girando a engrenagem,encaminhando as coisas para o seu devido lugar.
Um dia,num futuro bem mais próximo que muitos imaginam,os restos mortais de Herberts Cukurs serão reconduzidos a sua terra natal,com todas as glórias de Herói nacional

que êle foi e continua sendo ,para que possa ser enterrado no “Bralus kapos”,

cemitério onde estão repousando outros heróis do povo letoniano,e seu espírito poder ter enfim o descanso merecido que ele fez por merecer.

12 comentários:

Gustavo Pivoto Cysneiros disse...

Prezado Sr.Herbert,

Antes de mais nada, me perdoe a inconveniência da abordagem, caso assim a perceba.

Tenho motivos de ordem pessoal bastante fortes para dedicar parte das minhas horas de folga ao estudo da história de aeronaves antigas. Muitos anos atrás cheguei a levar ao conhecimento do Museu Aeroespacial do Campo dos Afonsos a existência de um Vultee BT-15 (“Vultizinho Perna Dura”) exposto em um parque de Campinas, apodrecendo ao tempo. Bom, a vida exigiu que eu me dedicasse à construção de uma carreira e meu hobby foi indevidamente deixado de lado por um bom tempo. Os anos se passaram e hoje começo a retomar essa paixão que durante tantos anos mantive dormente.

Na época em que pesquisava para a IPMS Brasil (International Plastic Modelers Society), por volta de 1986, escrevi algumas páginas sobre o Focke Wulf 56 "Stösser", que sempre me chamou a atenção não só pelo design mas também pelo fato de ter sido a aeronave de treinamento avançado que formou todos os grandes ases da Luftwaffe no final da década de 30. Naquela ocasião, consultei uma antiga edição do RAB (Registro Aeronáutico Brasileiro) e confirmei que em algum momento houve um exemplar dessa aeronave no Brasil, matriculada com o prefixo PP-RCB. Passados mais de vinte anos, apenas por curiosidade, pesquisei no Google sobre o FW-56 PP-RCB e encontrei o blog dedicado à família Cukurs, contando em detalhes a história do PP-RCB, até o momento em que ele cedeu seu motor Argus para os lendários Sea Bees que fazia vôos panorâmicos decolando da represa Guarapiranga. Confesso que fiquei extasiado com o que li.

Mais uma vez peço que me perdoe caso esteja sendo inconveniente, mas a minha curiosidade extrema me obriga a cometer a indiscrição de perguntar se a célula do FW-56 ainda existe. Bom, caso positivo e caso ela esteja em paradeiro conhecido, o Sr. não consideraria a possibilidade de recuperá-la, mesmo que para exposição estática?

Agradeço a atenção e caso eu tenha sido inconveniente na minha abordagem, peço sinceramente que me desculpe e que desconsidere o teor desta mensagem.

Cordiais saudações.

Gustavo Pivoto Cysneiros
gustavopisco@yahoo.com.br
Jardim Aeroporto
São Paulo, SP

Anônimo disse...

Bom, meu nome é Nicolas Hohnrath...
Tenho 24 an e devo dizer que este modelo de avião jamais poderia ser de fabricado pois é um modelo rápido, eficiente, dinâmico enfim são inúmeras qualidades pois já voei 4 vezes e quem pilotava era o Gunner.
O avião adernava a quase 90 graus de um lado olhava a represa do outro o céu era muito emocionante...
Porém, tudo na vida tem um começo meio e fim, no começo da minha vida por volta dos 8 anos terminava a missão do famoso hidro-avião da represa de Guarapiranga foi uma pena pois todo final de semana eu ficava lá e de repente ele não apareceu mais foi uma pena quando soube o tinha ocorrido

Se por acaso eu tiver poder aquisitivo um dia provelmente farei renascer o prazer de se aventurar com este hidro-avião...

Joao Novello disse...

Prezado Herbert,

mantenho um fotolog sobre aviação no Rio de Janeiro, chamado "Voando para o Rio" ( http://fotolog.terra.com.br/jban ) e tive a felicidade de cruzar com o seu blog em uma de minhas pesquisas sobre o assunto na internet. Vi que o seu blog tem farto marterial iconográfico do periodo que seu pai viveu no Rio de Janeiro e se fosse possivel gostaria de divulgar essas imagens em meu fotolog. Caso me autorize a faze-lo pediria que me enviasse algumas das fotos vistas em seu blob para o meu email jnovello@uninet.com.br.

O avião de seu pai apareceu em uma outra postagem, estacionado na beira da Lagoa Rodrigo de Freitas. Ver em:
http://fotolog.terra.com.br/sdorio:557

Um dos colaboradores do Voando para o Rio, Cid Lavrador, me contou que vocês foram colegas em Ipanema naquela época. Esse mundo é muito pequeno mesmo.

Aguardo o seu contato e agradeço a atenção dispensada.

Abs,

João Novello

Anônimo disse...

Acabei de ver o documentário, sobre a morte do Sr. Cukus e fiquei impressionado com a história.
Mas fica a dúvida será que realmente era ele?

Anônimo disse...

Sim Anonimo, ele era uma pessoa fantástica a ponto de arriscar a vida e trazer uma judia juntamente com sua familia para o Brasil...o documentário não conta muitas coisas , é um documentário mentiroso e que vangloria os covardes assassinos do Mossad. Pode ter certeza que eles mataram um inocente!

Shirom disse...

Duvido ser inocente, essa história de bom samaritano não cola.Se estava fugindo veio para o país errado, defender um assassino é virar um. Viva ao Mossad! יחי המוסד!

Werena disse...

Shirom , do quê ? Você está usando um nome hebraico , mas não se identifica. Não merece respeito. Quanto as suas acusações acredito que você deve ter as provas,ou resultado de julgamento! Quanto a acusação de chamar de assassino quem defende Herberts Cukurs também estou aguardando as provas!
Você devia ter vergonha de usar um nome hebreu e fazer um papelão desses, seu povo não iria gostar com certeza !

Anônimo disse...

Ola, eu vi o documentário e achei que nao era muito consistente. Seria o primeiro criminoso nazista que teria usado o nome e sobrenome verdadeiros. Analisando a história de maneira imparcial, nao existem mesmo muitas provas dos citados crimes de guerra. Mas, o que mais interessa é a verdade, que sendo de dominio publico ou nao, nao muda! Verdade é verdade! De outro lado, o perdedor sempre é culpado! Mas, o vencedor..... Exemplo: Bush Filho, invadiu o Iraque baseado em mentiras, matou os iraquianos, os americanos, os civis levou a instabilidade ao pais, gastou trilhoes de dolares e... esta por ai...
Abraços.

Andre paulo

Anônimo disse...

Ora, se Cukus participou mesmo da guerra, não interessam os atos por ele praticados, pois guerra é guerra. Não podemos nos esquecer que vivemos em um lado do mundo em que só ouvimos a versão de um dos lados dos participantes desta guerra, ou seja, do lado daqueles que a venceram. Muito se tentou justificar a "crueldade" dos alemães, pois se por acaso alguém conhecer a história, este mesmo mundo, por conta desta mesma "crueldae", foi dividido em dois pelos respectivos vencedores. Aliais, um dos vencedores jogou duas bombas atômicas no Japão e ninguém fala que isso é crueldade... Ora, vocês ouvem rádio? Que música é a predominante? Brasileira ou a Americana? Ainda somos dominados pelos vencedores daquela guerra e é lógico que sempre irão pintar a Alemanha de Hitler como assassina, pois foi a partir dela que eles, os vencedores, tomaram o mundo de assalto. Não conheço judeus e não creio em divisão de raça. Porém, quando Cukus foi morto já não existia guerra alguma e estes Judeus que o mataram não tinham o direito, portanto, de assassiná-los. São estes judeus, pois, os verdadeiros assassinos. Se Cukus participou da guerra e matou nesta guerra, ele era apenas um soldado que estava cumprindo seu dever de militar. Porém, sob o crivo da lei, da legalidade, nem isso os judeus conseguiram provar, tanto que passaram para a criminalidade ao assassiná-lo. Deus há de reparar tais crimes, principalmente com os membros da família de Cukus, que certamente sofrem até o dia de hoje com esta morte imbecil, criminosa e cruel.

Anônimo disse...

Bem vivi toda a minha vida perto da represa do guarapirangua e pude ver muito está familia, pessoas integras.
Quanto a história pouco conheço mas penso que para condenar uma pessoa é nescessário prova. Mas um fato que até hoje trago em mente é que quando garoto e estava pescando na margem da represa precisamente perto de um clube de campo santo amaro e desceu um hidroavião de tamanho bem superior do usado por está familia e logo após veio o sr Cukurs em uma embarcação, Bem desceram quatro homens eles estavam fardado com trajes verdes e eram muito altos e vi que eles discutiam. O fato é que depois disso fiquei sabendo de sua morte. Claro que não sei se tem relação ou não. Mas até hoje fico pensando nisso.

Werena disse...

Amigo,
este hidroavião era um Albatroz da FAB , o pessoal da FAB se dava bem com meu avô e quando vinham fazer os treinamentos sempre o visitavam e vice-versa.
Acredito que a discussão poderia ser algo de conotação técnica ou simplismente trocando idéias.

Unknown disse...

Ola meu nome é zenivaldo Pimentel ainda moro perto da represa e da Riviera paulista vi éra novo o hidroavião por varias vezes .
Sempre tive como vizinhos famílias de origem alemã e foram sempre educados e de bom convivio.
conheci a família de gunter balmann e de klaus lindenhayn frequentava o restaurante nó de pinho na av Guarapiranga e passei minha infância e sinto saudade de ver o avião sobrevoando as margens da Guarapiranga.